3 motivos porque metas estão te deprimindo [e como resolver]

É de conhecimento popular que pessoas e empresas de sucesso têm metas e sabem bem onde querem chegar. O que não te contaram ainda, é que essas mesmas metas podem estar relacionadas com pensamentos e comportamentos depressivos.

No meu caso, ler somente metade dos livros que eu havia planejado ler em um ano, me deixou frustrado e com a sensação de derrota. Mas acredito que este não é um caso específico meu. Você já colocou algumas metas e falhou ou tem tido dificuldade em mantê-las?

Talvez ser mais saudável; Praticar alguma atividade física; Aprender uma nova língua; Alimentar-se corretamente; Fazer aquele curso; Sair das dívidas; Ler certos livros; Aprender uma nova habilidade; Se dedicar mais no trabalho; Deixar algum vício; Ter um bom valor na poupança. etc.

Veja 3 motivos porque estas metas podem estar te deprimindo:

 

1. Você não vai alcançar a meta agora

Você encontrará pessoas tentando vender a ideia de que você pode aprender uma nova língua em algumas horas, um novo produto que te fará perder 10kg em um mês, um remédio que te fará aprender mais rápido e passar naquele concurso. Balela! Geralmente as metas que definimos para nós, exigem dedicação, esforço e principalmente muito tempo.

Não há atalhos. Mas com todos esses anúncios, sem perceber, podemos comprar a ideia de que nossas metas podem ser alcançadas facilmente. Como a realidade é bem diferente, o que acontece ao não alcançá-las? sobra a frustração ou até a depressão.

 

2. Você deixa de aproveitar o momento

Se sua meta é não ter mais dívidas, ao fim do dia, você vai continuar endividado. Se sua meta é emagrecer, ao fim de um único dia, você não vai estar magro. Basicamente, as nossas metas são assim. O problema de ver as coisas dessa maneira, é que você deixa de aproveitar o momento. Simplesmente ficamos infelizes no ponto onde estamos. Meu caso como exemplo, deixei de aproveitar o bom sentimento de ter lido 10 ótimos livros em um ano, porque não havia alcançado minha meta de 20. Por isso precisamos ser realistas com nossas metas.

 

3. Você é diferente do CEO daquela super empresa

A internet está cheia de métodos para alcançar objetivos. Porém, todo ser humano é diferente. Um método que serve para mim, pode não servir para você. Você pode estar usando uma maneira de alcançar metas que funcionam muito bem para um certo tipo de personalidade, mas na prática para você não funciona. E novamente, isso leva a frustração, pois se funciona para aquele ceo/empreendedor/gestor super famoso, porque não funciona para você? Pode surgir o sentimento de que o problema é você ou mesmo de que você esteja fazendo errado, enquanto na verdade é somente o fato de serem pessoas diferentes e que precisam de abordagens diferentes.

Como resolver esse problema?

Seja específico

Um estudo realizado pela University of Liverpool constatou que pessoas com tendências depressivas não tinham menos metas do que pessoas sem problemas depressivos. A maior diferença notada entre elas é a falta de especificidade nas metas. Pessoas depressivas descreviam suas metas de maneira mais geral, enquanto as não depressivas eram mais específicas. Não ser específico com as suas metas pode estar relacionado a depressão.

Seja específico. Entrar em forma é genérico. Correr 10 minutos hoje é específico. Aprender uma nova língua é genérico. Aprender 5 palavras em outro idioma é específico. Uma das grandes vantagens de encararmos nossas metas dessa maneira, é que você aproveitará as pequenas conquistas diárias. Finalizar o dia com o sentimento de dever cumprido é essencial para a formação de hábitos. Que alias, é a filosofia de Leo Babauta, não ter metas e sim hábitos.

Seja otimista

Se você já leu outros dos meus textos, já deve ter notado que gosto de citar estudos e pesquisas, bom, aqui vai outro. Publicada na Journal of Abnormal Psychology, uma pesquisa revelou que pessoas com depressão, não são menos motivadas quando se trata de alcançar objetivos, mas elas são mais pessimistas.

Se você tem metas, mas não tem uma visão positiva delas, elas deixam de causar um efeito positivo e viram apenas pressão e ansiedade. Ao definir suas metas, veja elas de maneira positiva. Metas devem te auxiliar na jornada e não dificultá-la. Para ajudar neste ponto, deixo aqui uma palestra do Ted feita por Amy Cuddy. Ela trata de linguagem corporal, mas se encaixa perfeitamente em como encarar os desafios que temos de maneira positiva.

O fato de algumas metas terem dado errado em sua vida, podem te fazer enxergar o futuro de maneira pessimista. Muitas vezes isso pode estar relacionado ao método que usamos ou a maneira que trabalhamos para alcançar essas metas. Por isso, é importante tentarmos métodos diferentes, arriscar novos hábitos e ver a experiência de outras pessoas na jornada de alcançar metas.

Conclusão
Se suas metas estão mais te pressionando e causando ansiedade do que realmente te auxiliando nessa caminhada, talvez seja hora de revê-las, repensar a maneira como você as encara e o que está fazendo de específico para atingi-las. Ser específico pode te proporcionar a felicidade de alcançar as pequenas conquistas diárias e ser otimista pode deixar a jornada mais leve e promissora.

 

Gostou do artigo?
Faça parte da lista de assinantes do Design Mentor: Assinar.
Leia também: Felicidade no emprego não é um app